publico

p3

antena3

lecool

Acerca de mim

A minha foto


anafcgil@hotmail.com
www.anagillustrations.com
www.instagram/anagillustrations.com


24 de janeiro de 2013

' eras canhoto, como o coração '


Cappucino, no Fábulas, 11 de janeiro de 2013


"(...) Óptimo. Disseste.E sorriste.
Aquele café além é acolhedor. Não tomas nada? Um chá fazia bem à tosse. Perguntaste. E disseste.
Sim, um chá calhava bem. Estava mesmo a apetecer-me.
Parece que advinhei. Disseste. E aí sorri eu.

Tomámos chá e de imediato fizemos planos de vida.
Que correram mal, imediatamente mal. "
~ Ana Salomé



21 de janeiro de 2013

' bebíamos / apressadamente a juventude '


O Gin é uma bebida destilada à base de cereais e zimbro, que teve origem nos Países Baixos, no século XVII.
O Gin Hendrick's é um jovem escocês com um espírito forte a zimbro mas, diferencia-se dos restantes cavalheiros pelo seu leve banhar de plantas durante a fervura. Por fim em copo largo, água tónica e gelo, este Gin distingue-se ainda pelos últimos apontamentos: as rodelas de pepino ou as pétalas de rosa. 
I WANT MOAR, garantir-lhe-á, o refill e GREAT SCOTCH!, merecerá o acolhimento imediato em qualquer família MacLeod !



Hendrick's Gin de preferência com pétalas de rosas búlgaras ( esperar que faça efeito e deixar-se ir...), na Garrafeira Nacional, a 19 de janeiro de 2013



"(...) Ao quinto ou quarto gin
(lembras-te?) deitávamo-nos
a sorrir para a estrelas,
sobre o pano gasto do bilhar.


A música era esta.
Perdemos quase tudo."
~ Manuel de Freitas



18 de janeiro de 2013

' em ti principiam o mar e o mundo '



Exposição As Idades do Mar, na Fundação Calouste Gulbenkian, a 23 de dezembro de 2012


"navegar não é outra coisa senão caminhar sobre as águas de um lugar para o outro (...) este caminho difere dos da terra em três coisas. O da terra é firme, este fluido; o da terra estável, este móvel; o da terra assinalado, o do mar desconhecido"
~ Martín Cortés de Albacar



' tenho um coração, e isto dito assim / é um assombro '

 
"invento janelas no escuro, para te abrir o dia", assim acordei para as palavras do Vasco, já faz tempo. 


Apresentação de A Fábrica de Vasco Gato, Bar do Teatro A Barraca, 5 de Janeiro de 2013



Depois do Imo, do Um Mover de Mão, do 47, do Cerco Voluntário, da Rusga, do Napule ( todos eles, diamantes adquiridos de uma mina lá para a Rua Cecílio de Sousa, indústria mineira já desativada mas que deixa saudade à portuguesa) acabo de chegar à A Fábrica.

A mesma indústria. A única diferença tem a ver com o produto final do mineral.
Em vez de polido, é agora bruto e rasga-nos, mantendo o mesmo brilho.


"Guardavas dos lugares
um sentido improvável. Tudo era
mais verdadeiro por
repentinamente
se assemelhar a um regresso.
Enquanto avançávamos
o mundo vinha ao nosso encontro
e, nisso, sucediam-se as
formas de
murmurarmos um ao outro. (...) 
E era tarde. E havia luzes.
E via-se que não podia ser 
de outra forma. " 
~ Vasco Gato, em A Fábrica




14 de janeiro de 2013

' os cheiros fartos / e o Verão faminto '


" Na mesa, singelo o pão centeio,
o chispante vinho,
a dourada sopa,
as migas e o queijo.

A vida celebra-se devagar (...)"
~ Cecília Amaro

Assim se faz, no Alentejo...

Sericaia de-fechar-os-olhos com ameixa e molho de calda, Portel, 29 de Dezembro de 2012


' tu inagotable paz, tu esencia verde '


 " hay sílabas de aceite,
hay palabras
útiles y olorosas
 como tu fragante materia. (...) "
~ Pablo Neruda 

Aceitunas, Madrid (o meu primeiro desenho à mesa, em viagem), Setembro de 2007


"(...) o primeiro olhar descreveu a sua órbita
sobre as oliveiras. Só mais tarde
a pomba roubaria o ramo
e iria de árvore em árvore propagar a primavera" 
~ Ruy Belo